Velejada sexta, 28 de novembro

Os ventos NE que estão assolando o litoral catarinense durante a semana toda chegaram nessa sexta-feira em Araranguá beirando os 30km/h.
O rio estava limpo, baixo, mas com ondas grandes, gordas e com buracos.  Tempo bom de sol e a água já está agradável, mas o vento forte esfria bastante.
Saí com o Alexandre no Tirano, meu laser. Sozinho era complicado segurar o barco. Juntos somamos 135 kg. Ele ficou na proa e eu timoniando.

Fomos até após a barrinha, em orças sem fim.Tivemos dois incidentes na ida. O primeiro deles foi um moitão experimental de plástico que estourou. Ele estava na redução da esteira e com seu rompimento, a vela correu na retranca, ficando abaloada. Fomos até a margem, numa prainha e corrigimos o problema. Porém, ao sair ao rio novamente, fui caçar o leme e o cabinho que caça a pá do leme estava solto na água. Tive que tirar a cana e sacar o leme, arrumá-lo e colocá-lo de volta, tudo isso pulando nas ondas e sendo lavado por elas, lutando para manter o barco de través no vento forte, que insistia em querer nos colocar de popa. Resolvido o problema foi só lavar a alma.

Na volta em popa rasa, o Tirano veio num surfe forte, engolindo água pela proa e rasgando as ondas que apareciam pela frente. Rapidinho chegamos no clube.´

Ótima velejada de ventos fortes, que fiquem por aqui por mais tempo!

Gustavo.

Anúncios

Velejada domingo, 14 de setembro

Dia de sol, sem nuvens. Vento SSW frio, rondando e com rajadas típicas desse vento. Rio bem cheio, lavando o trapiche, mas sem ondas, apenas com pequenas marolas.

Quatro Lasers na água, com os velejadores Claus, Luciane, Gustavo e Tarciano.

Través forte entre o clube e a barrinha fechada, empopando em direção a Ilhas, mas antes do canal já estávamos voltando. Na volta ao clube um orça folgada.

Destaque para a velejadora Luciane, que após virar e ver o Shrek emborcar e ser arrastado pelo vento e pela correnteza, alcançou o barco, o desvirou tranquilamente e sem demora já estava ganhando seguimento.
Para completar o feito, na volta ao clube seu Laser radial tirou uma grande distância dos marmanjos standarts.

Depois disso, Tarciano e Gustavo subiram o rio até a balsa, encontrando nesse trecho bastante ondas, que não aconteciam no trecho até a barrinha fechada.

Velejada domingo, 31 de agosto

Os ventos fortes do quadrante nordeste voltaram a dar o ar da graça, lembrando os tempos de verão.

Nesse final de semana a lestada varreu o litoral catarinense, entrando forte em Araranguá. Vento firme e constante que em nada lembra os ventos de sul, com suas rajadas e rondadas fortes e inesperadas.

O domingo foi um dia bonito de céu limpo e sol, que ajudava a suportar o vento frio. O rio estava limpo, verde e salgado e no fim do dia formou as boas ondas que os ventos do sul passaram o inverno todo impedindo de se formar.

Na água, os velejadores Luciane, Claus e Gustavo nos respectivos lasers Peixe, Shrek e Tirano, que rasgavam a água e extendiam suas esteiras por longas jardas. No fim da tarde o Alexandre apareceu para aproveitar o vento, mas quase afogou o Peixe… tombos sobre tombos, num aprendizado necessário.

E o Leste entrou noite a dentro, enrugando a água e anunciando o verão ainda distante.

Velejada final de semana 02, 03 e 06 / agosto

No sábado, o casal de velejadores Claus e Luciane colocaram os Lasers na água  com ventos fortes de SW. O tempo bom ajudou a enfrentar os ventos frios.
Já no domingo eles entraram de Hobbie Cat16, sem genoa e com a mestra rizada devido ao forte vento WSW. E o Margarita levantando spray.

Na quarta-feira o mesmo tempo bom e o vento de NE resolveu aparecer com tudo. O Fábio fez companhia ao Gustavo no Tirano e mesmo com os dois escorando a velejada era forte. “Fomos orçando até perto da barra, voltamos em popa. Em frente a Ilhas o sol do fim da tarde como sempre refletia na água e não se via nada direito a nossa frente. Tivemos que tentar umas três vezes até acertarmos o canal e entrarmos com vento pela alheta de boreste, que nos jogava contra os bancos. Tomamos um refrigerante no bar e saimos pelo canal. Foi uma ótima velejada no vento forte”, relata Gustavo.

Velejadas da última semana de julho

A semana foi marcada por ventos instáveis, quase sempre indo contra as previsões dos melhores sites.

Segunda e terça-feira os velejadores Claus e Gustavo estiveram velejando com pouco vento. Na terça chegaram próximo a barra e por lá mesmo o vento foi morrendo. O retorno se deu a moda dos pescadores nativos quando enfrentam ventos fortes e correnteza: puxando a canoa pela margem do rio. Sábado o ventos NE ficou forte com sol o dia todo, Luciane e Claus na água.

Domingo ventos instáveis entrando um sul forte, que enfraqueceu a medida que rondava para leste. Na água quatro Lasers: Peixe com Claus, Shrek (laser radial) com Luciane, Tirano com Gustavo e o vermelhão anônimo do Tarciano, que voltou às águas depois de muito tempo em seco.

Em frente a Ilhas o vento morreu e o retorno foi em popa, de arrasto… Em frente ao Morro Agudo entra o Oeste forte que possibilita uma boa velejada no fim do dia e um retorno honrável ao clube.

Velejada final de semana 12 e 13 / julho

Previsão de tempo para Araranguá: tempo bom com sol e temperaturas agradáveis.

Sábado: vento SE 15 km/h.

Domingo:  vento NE 20 km/h

—————————-

Enquanto isso em Porto Alegre: Comandante Claus Pich e sua esposa Luciane Dal Pont, velejando nas águas da Lagoa dos Patos no Krill, um Scorpion de 26 pés.

     

Velejada 02 / junho

Dois Lasers na água e uma velejada até a barra. Esse foi o resultado de uma quarta-feria de folga para os velejadores Gustavo Motta e Sérgio Rocha. Com um vento SE fraco mas constante, os velejadores se lançaram à água por volta das 13h, descendo o rio até a barra, num único bordo. Na barra puderam ver as mudanças nos bancos e arrebentações provocadas na última enchente e aproveitar as marolas e ondulações de mar. Destaque para o velejador Sérgio, que avançou contra as ondas e venceu a primeira arrebentação: “Olhando de fora até assusta, mas lá dentro é tranquilo, dá de vencer”, relata.

Abaixo, Sérgio saindo do clube em direção a barra. Fotos: Gustavo Motta.